Páginas

30 julho 2008

24 julho 2008

Um elefante nunca esquece!

Pra celebrar esses dias MÁRA que tenho passado! ^^

21 julho 2008

Zebra Sabrina!!


Lembram da Zebra Sabrina?
Agora ela tá toda formosa!
Essas são todas imagens para o livro "Poeminhas Animais" de Alexandre Azevedo
em primeira mão pra vcs. ;)

18 julho 2008

É peixe! É punk!


Coragem, Peixe 8!
Tá acabando!!! ^^

13 julho 2008

Insetos! Ohhhh!

Em clima de AnimaMundi
uma moldura pro desenho de sábado!

08 julho 2008

Tem gente boa nesse mundo!



MUITO muitomuitomuitomuitomuito... OBRIGADA PELA FORÇA!

06 julho 2008

Brrrrr! É fria!


para celebrar a friaca que tem feito por aqui!
brrrrrrrr...

05 julho 2008

lagartixa


Quando eu era pequena, caçava ovos de lagartixas pela casa. Bons tempos aqueles. =]

02 julho 2008

Móóó!


Seria essa uma versão fofa da Media Vaca?

Felicidade à cores.




"Trabalhe com o que goste e assim nunca mais trabalhará na vida." Felicidade é isso. =]

01 julho 2008

Yo amo los mundos sutiles.



Hoje um amigo me disse em bom castellano: "Todo és perfecto."
Ele se referia às voltas que a vida faz. Era tudo o que eu precisava ouvir.
Diós salve Pijuán. =]
.
.
Todo pasa y todo queda
Pero lo nuestro es pasar,
Pasar haciendo caminos,
Caminos sobre la mar.
Nunca perseguí la gloria,
Ni dejar en la memoria
De los hombres mi canción;
Yo amo los mundos sutiles,
Ingrávidos y gentiles
Como pompas de jabón.
Me gusta verlos pintarse de sol y grana,
Volar bajo el cielo azul,
Temblar súbitamente y quebrarse...
Nunca perseguí la gloria.
Caminante son tus huellas el camino y nada más;
Caminante, no hay camino se hace camino al andar.
Al andar se hace camino
Y al volver la vista atrás
Se ve la senda que nunca
Se ha de volver a pisar.
Caminante no hay camino sino estelas en la mar...
Hace algún tiempo en ese lugar
Donde hoy los bosques se visten de espinos
Se oyó la voz de un poeta gritar
Caminante no hay camino, se hace camino al andar...
Golpe a golpe, verso a verso...
Murió el poeta lejos del hogar
Le cubre el polvo de un país vecino.
Al alejarse, le vieron llorar.
"caminante, no hay camino, se hace camino al andar..."
Golpe a golpe, verso a verso...
Cuando el jilguero no puede cantar
Cuando el poeta es un peregrino,
Cuando de nada nos sirve rezar.
Caminante no hay camino, se hace camino al andar.
Golpe a golpe, verso a verso.
.
.
[Cantares - Juan Manuel Serrat]